DestinosÁsiaDestinos
28 maio 2017

Um dia com Elefantes na Tailandia

Na viagem mais linda da minha vida tive o privilégio de conhecer o Patara Elephant Farm em Chiang Mai na Tailândia e passar o dia com um elefante. Locais para passear com elefantes são comuns no sudoeste asiático, mas é preciso tomar cuidado e pesquisar bastante para não patrocinar maus tratos e desrespeito a estes animais tão grandiosos.

Informações Gerais

Ingressos: podem ser adquiridos no Site do Patara Elephant Farm, hotéis ou agências de viagem. Valor aproximado com transporte saindo de Chiang Mai: R$380,00;

Foi o passeio mais caro que pagamos na Tailândia, em geral tudo é muito barato no país.

Endereço: T.Baan Pong A.Hang Dong , Chiangmai, Thailand – 45km do centro de Chiang Mai;

Chegando em Chiang Mai: voamos de Bangkok para Chiang Mai com a AirAsia – 2h de vôo.

O que levar: apenas a máquina fotográfica e protetor solar. O local oferece snaks, água e frutas no início e no fim do passeio.

Contando como foi o dia com os Elefantes na Tailândia

Chegando na fazenda nos deparamos com muitos elefantes soltos, sem ninguém perto cuidando ou controlando para não “atacarem” os turistas. A primeira reação é “uauuu” pois eles são imensos! Formamos uma roda para recebermos as orientações iniciais e eles estavam ali, ao nosso lado, como se fossem da casa, sem cercas, muito diferente do que eu imaginava. Nesse meio tempo um filhote veio brincar conosco, ficava empurrando com a cabeça.. Meu Deus, esse é um elefante e parece meu cachorro!! Foi amor a primeira vista.

É claro que se eu tivesse feito isso com os elefantes africanos teria levado uma pisada ou algo assim, mas os elefantes do Patara não são mais selvagens, pois infelizmente receberam um lar depois de maus tratos e seus filhotes, que nasceram junto aos humanos, mesmo soltos estão acostumados e interagem naturalmente.

Bem, dali seguimos por uma trilha curta e nos dividiram, cada pessoa cuidaria de um elefante pelo dia todo. Outra surpresa.. eu toda atrapalhada, vou cuidar de um elefante sozinha?? ok.. Primeiro o guia nos explicou sobre a saúde dos animais, que o cocô tem que ser verdinho com cheiro de grama, que abanar as orelhas é um bom sinal do humor do elefante, que as lágrimas do elefante não são choro, entre outras informações bem interessantes.

Ali que conheci a “Mamói”, minha companheira do dia. Mamói balançava muito as orelhas, então eu sabia que estava tudo sob controle. A primeira tarefa foi dar o café da manhã: muito verde e bananas, ela foi muito lady comigo e pegava os alimentos delicadamente. Em seguida Mamói ganhou um banho de mangueira, era possível tocar e fazer carinho sem problemas.

Neste momento aprendi que o local ideal para sentar no elefante é próximo a cabeça e não nas costas como muitos lugares penduram a família toda pra tirar uma foto. Bem, subir foi fácil, não havia estrutura alguma, era pele sobre pele, mas como eles andam devagar foi tranquilo.

Andamos durante quase 1h no meio da mata e o mesmo filhote lá do começo também acompanhava a mãe.. no caminho fazia uma bagunça danada, corria, quebrava galhos, parecia uma criança que chama atenção enquanto os adultos estão fazendo alguma coisa. O passeio foi sensacional, fomos conversando (eu e ela ).

Atravessamos um rio e depois do lanche com o grupo (em torno de 6 pessoas) seguimos para o melhor momento: dar um banho de verdade nos elefantes. Escova e muita água pra limpar aquele animal imenso! Ela jogava água pra cima e abanava muito as orelhas, devia estar gostando.. afinal o calor em abril na Tailândia realmente é demais.

Por fim, quem levou o banho fomos nós, com os elefantes jogando água com suas trompas sobre todo mundo.


Aprendemos que a memória dos elefantes é mesmo incrível e que provavelmente se voltarmos ao Patara vão lembrar de nós (será?). Ficou marcado em mim o comportamento especial com suas famílias, os elefantes seguem juntos em todas as migrações, defendendo os filhotes e os integrantes do grupo. Por traz de um animal bruto está o instinto coletivo e familiar que permite preservar consigo “os seus” pela vida toda.

Mamói pode não lembrar de mim, mas eu vou guardar esse dia para sempre! E desde 2015 os elefantes têm um significado muito especial!

Em breve mais posts sobre os 20 dias de norte a sul na Tailândia. 🙂

Por Laiza
Gostou? Compartilhe!
Deixe seu comentário!