DestinosÁfricaDestinos
26 maio 2017

Viagem de carro pela Garden Route na África do Sul

Entre os lugares mais incríveis da África do Sul está a Garden Route que começa em Mossel Bay e vai até Plettenberg Bay. Este trajeto possui menos de 300km, mas normalmente é estendido até a Cidade do Cabo, passando por paisagens incríveis de beleza natural, vida selvagem e atividades ao ar livre.

A rota escolhida começou em Porth Elizabeth e acabou na Cidade do Cabo, foram 3 dias de carro completando mais de 12h de viagem. Nestes 3 dias teve mergulho com tubarões, café da manhã na beira da praia, caiaque no pôr do sol, trilhas, almoço com vista para o lago e muita história pra contar.

Segue abaixo o mapa com todas as paradas. E este foi só o começo de uma viagem de 30 dias pelo continente africano.

GARDEN ROUTE – PORTH ELIZABETH ATÉ CIDADE DO CABO

DIA 1

Porth Elizabeth

Nosso voo chegou em Port Elizabeth a noite e fomos direto para a pousada, próxima ao aeroporto. Esta cidade possui um dos maiores portos do país e uma praia linda, indicada para surf e mergulho. Como o roteiro era longo, reservamos apenas uma manhã para ela, optamos por conhecer o Donkin Reserve, considerada a melhor vista da cidade!

Este pequeno parque ao ar livre possui um mosaico colorido no chão que conta a história da cidade, um farol, uma pirâmide em homenagem a Elizabeth, obras de arte, incluindo uma escultura de Nelson Mandela e o que mais gostei: uma bandeira imensa da África do Sul, que por sorte foi estiada assim que chegamos. Dizem que esta é a maior bandeira da África do Sul, não sei se continua sendo, mas que era imensa e linda.. sem dúvida.

O casal Donkin e Elizabeth tem uma história romântica, porém triste. Após a morte dela, Donkin, fundador da cidade, construiu esta pirâmide com os dizeres: “Na memória de um dos mais perfeitos seres humanos que deu seu nome à cidade abaixo” e algum tempo depois se matou.

.                                   .                                 .

Em Porth Elizabeth também é possível conhecer um Centro de Proteção aos Pinguins o SAMREC (Samrec Penguin Rescue Station), o Nelson Mandela Bay Stadium (construído para a copa do mundo de 2010) e um centro antigo repleto de prédios e monumentos históricos.

Um dia é suficiente para conhecer Porth Elizabeth. As melhores regiões de hospedagem são próximas a praia e a noite o movimento está pela Stanley Street com bares e restaurantes interessantes.

Jeffreys Bay

Seguimos para Jeffreys Bay, nossa parada para tomar café da manhã e contemplar o mar. J-Bay, como é chamada pelos locais é muito fofa, pequena mas um dos destinos mais procurados no mundo pelos surfistas, em julho a cidade fica lotada pelo campeonato da Billabong. Algumas atrações como aula de surf, trilhas, passeios a cavalo, observação de golfinhos e baleias podem ser interessantes se você tiver interesse e for na época certa.

.                                     .                                    .

Para o tempo disponível, um café da manhã na beira da praia foi excelente. Paramos no Tasty Table Coffe, um pequeno restaurante frente à praia, foi uma feliz escolha (peça o omelete completo para dois.. bom demais).

Tsitsikama

Seguimos de J-Bay para o famoso parque Tsitsikama, li vários posts que era obrigatório 2 dias ou mais, mas confesso que 1 dia inteiro é suficiente para fazer o melhor que o parque oferece.

Recomendo iniciar o passeio pela trilha que leva as famosas pontes do Storm River, descer pelo menos uma das escadarias que dão acesso as praias de pedra e fim da tarde o passeio de caiaque. Nesta região existe uma trilha famosa de 4 a 5 dias que deve ser reservada com muita antecedência, para quem já conhece a região e curte trilhas, é uma opção.

     .          .     

Nossa pousada era entre Tsitsikama e Plettensberg, reservei por ali para não pegar estrada a noite, mas se fizer com GPS é muito tranquilo, pois a sinalização é excelente.

Essa região do parque oferece muitas atividades, inclusive o maior Bung Jumpee em uma ponte do mundo! Confira aqui as opções e, se tiver tempo fique mais um dia para ver se seu coração aguenta!

DIA 2 

Nature’s Valley

NV é um vilarejo pequeno mas rodeado de muita natureza, fomos em busca de um café da manhã especial e encontramos a Nature’s Way Farm, poucos minutos da N2. Fazenda com gado, galinhas, um gato amigável na mesa, produtos orgânicos para comprar e um café perfeito do jeito que eu gosto, no meio do verde. Super indico uma mesinha no sol para contemplar o visual.

.                                   .                                     .

Plettenberg Bay

Seguindo o ritmo, que não é frenético como parece aqui, continuamos para Plett, uma das cidades preferidas dos Sul Africanos para veraneio. No caminho conhecemos o Birds of Eden, o maior aviário de aves soltas do mundo, pássaros incríveis que não tinha ideia que existiam.

     .          .    

E em frente  está o Monkeyland. Apesar de ver macacos por todos os lados na África, achei muito legal conhecer um pouco mais sobre eles em um passeio a pé dentro da floresta; vimos dezenas de famílias de diferentes espécies, com filhotinhos nas costas, pelas árvores, inclusive lémures – como o rei Julian do filme Madagascar. Vale salientar que estes macacos foram resgatados por maus tratos e outros motivos, hoje vivendo soltos neste santuário.

Monkeys     .          .     

Os sites destes parques oferecem “combos”, onde é concedido desconto na compra dos dois ingressos. As atrações tem duração aproximada de 1h, mas como o Birds não oferece guia, é possível passar mais tempo e lanchar no local.

Perto também está o Elephant Sanctuary que permite alimentar, caminhar, tocar e conhecer um pouco mais sobre os elefantes africanos . Desde a Tailândia nada supera nosso contato com estes animais majestosos, então preferimos seguir viagem. Há também o Jukani, onde é possível aprender um pouco mais sobre os felinos. Juro pra você que vi outros parques menores de aves, cobras e outros animais… dava pra passar um dia conhecendo tudo.

A estrada é excelente e possui diversas placas dos parques que são próximos da N2, facilitando o fluxo da viagem.

Chegando na cidade, paramos rapidinho apenas pra colocar o pé na areia e ver o tal mar azul. Confesso que não achei nada demais, mas tenho amigos que foram e amaram. Tem uma praia onde é possível ver as lontras, é uma boa sugestão de parada.

Knysna

Considerada a mais importante cidade da Garden Route, Knysna é cercada por florestas e possui um lago imenso, proporcionando uma vista incrível para quem parar por lá. Se ficar pela cidade podes fazer um passeio de barco, ir no Knysna Elephant Park, conhecer uma comunidade rastafari e em julho participar do festival de ostras, a cidade bomba no verão!

Minha proposta para Knysna era almoçar contemplando o melhor da cidade: o lago!! E foi assim que escolhi o East Head Café.

.                                .                              .

Mossel Bay e George

Estas cidades também são paradas para alguns turistas que fazem a Garden Route, porém li em sites e no guia mesmo que foram tomadas pelo desenvolvimento urbano/industrial e se tornaram cidades grandes com prédios históricos, praias e alguns passeios interessantes. Optei por passar direto e seguir as belezas naturais.

Oudtshoorn

Você pode fazer um outro caminho por cima e conhecer esta cidade que se intitula a “capital mundial do avestruz”. Feiras com ovos, artefatos com penas e pele do avestruz podem ser encontrados por lá.

Cape Agulhas

Se meu GPS não tivesse nos enganado teríamos chegado a tempo de ver o pôr do sol em Cape Agulhas, esta é uma parada básica na estrada para ver o ponto mais austral da África do Sul que, ao contrário do que dizem, não é o Cabo da Boa Esperança. Para chegar lá é preciso sair um pouco da rota, analise seu tempo e veja se pode encaixá-lo.

Gaansbai

Nossa noite foi próxima a Gaansbai, como a cidade é famosa pelo mergulho com os tubarões imaginei uma cidade movimentada cheia de gente aventureira, bares e tudo mais, mas que nada! Chegamos por 21h e não tinha nada aberto, apenas dois mercadinhos que fecharam pontualmente as 22h, compramos pão e frios para um sanduba no quarto.

Portanto, chegue mais cedo ou procure uma hospedagem no caminho.

DIA 3

Gaansbai – Mergulho com tubarões brancos

Sim! O famoso mergulho com tubarões brancos na Africa do Sul, dia tenso, mas inesquecível.

A maioria das pessoas faz o passeio a partir da Cidade do Cabo com o transporte incluído, mas pra quem está fazendo a Garden Route sai muito mais barato ficar por ali, pois é caminho.

É claro que eu fiz um post específico sobre este dia! Veja: Mergulho com os tubarões brancos na África do Sul

Hermanus

Hermanus é a queridinha dos moradores da Cidade do Cabo que frequentam muito em finais de semana, pois fica a apenas 120km. Pequena, organizada, com vários mirantes para o mar azul e as baleias que aparecem de junho a novembro para dar a luz. Imagina, deve ser algo incrível!! Li que chegam até 70 baleias e muitas vezes próximas da margem. Mas, se você não for nesta época e tiver o roteiro regradinho como o meu.. vale a pena uma parada em um dos mirantes para ver o mar e seguir viagem.

Boulders Beach

E a última parada do dia foi para ver os pinguins!! Pagamos R70 por pessoa, 1h é suficiente para observar estes animais tão simpáticos e desajeitados. Dormindo, chocando, na água, ciscando, vimos de todos os jeitos e ângulos, é muito bacana, mas não espere tirar selfie ou interagir com eles, pois não é possível chegar perto. Se tiver sorte pode achar alguns na Fox Beach, praia aberta que fica ao lado do parque.

Nesta noite chegamos a Cidade do Cabo, encantados com o brilho da cidade e da Waterfront.


Tempo e Trajeto

Esta rota pela Garden Route até Cidade do Cabo foi feita em 3 dias, mas veja que fizemos mais de uma cidade por dia com paradas estratégicas para pegar o melhor do lugar. Se fosse uma viagem de 20 dias apenas pela África do Sul, por exemplo, adicionaria 2 dias e exploraria mais algumas regiões como Plett e Tsitsikama.  Se for verão e você quiser conhecer as praias, pode optar por J-Bay, Plett ou Hermanus, mas lembre-se que a Cidade do Cabo tem praias lindas, eu ficaria por lá.

Algumas pessoas preferem ir e voltar da Cidade do Cabo de carro, analise bem as distâncias, pois mesmo com toda nossa disposição para dirigir acho que seria muito cansativo e aproveitaria pouco as paradas. A melhor opção é um voo de Porth Elizabeth ou George seja para ir ou voltar, pagamos, em torno de, R$250,00 por pessoa pela Cia Aérea Kulula. As lojas de aluguel de carro permitem a entrega do veículo em cidades diferentes com uma taxa pequena.

São vendidos passeios em grupo também por agências de turismo. E para os mochileiros low cost ainda existe a opção do Bazbus, um ônibus que faz muitas cidades desde Durban a Cidade do Cabo, até Johanesburgo. O site é em inglês, mas o mapa e valores estão na primeira página, bem tranquilo para sua pesquisa. Engloba todas as cidades que parei, mas claro não tem o conforto e agilidade de um veículo.

Importante: A Carteira de Habilitação internacional é obrigatória na África do Sul

Dicas para uma viagem tranquila de carro:

– Reserve o veículo com antecedência;

– Leve um pen drive com músicas ou spotify com listas baixadas (as rádios não são muito boas);

– Baixe o mapa offline da região antes de viajar. Analisei minhas rotas e roteiro em casa com o google maps e não tive surpresas.

.                   Garden_Route              .                                .

Poderia fazer um post sobre cada parada, pois foram dias lindos de sol e paisagens que nunca sairão da minha memória. Com uma rápida parada é impossível conhecer bem as cidades e criar um conceito sobre elas, mas o que posso dizer é que possuem uma ótima estrutura para os turistas e muitas belezas naturais.

Em breve mais posts sobre os meus 30 dias pelo continente africano! 🙂

Por Laiza
Gostou? Compartilhe!
Deixe seu comentário!